Wednesday, September 27, 2017

SAUDAMOS NOSSAS ANIVERSARIANTES VINTAGE DESTA SEMANA (25 a 28 de Setembro)

Textos por Chico Marques



CATHERINE ZETA-JONES
Swansea, Wales UK
September 25, 1961






De todas as atrizes surgidas na tela grande nos últimos 30 anos, nenhuma ostenta uma beleza clássica tão desnorteante quanto Catherine Zeta-Jones. É, sem dúvida, uma das mulheres mais lindas e talentosas do cinema em todos os tempos. Aos dez anos de idade, ela já cantava e dançava na companhia teatral de uma congregação católica em Wales. Aos 15 anos foi para Londres tentar fazer sucesso nos palcos. Estreou na TV num papel recorrente na série The Young Indiana Jones Chronicles, e em 1995 ganhou seu primeiro papel como protagonista na minissérie Catherine The Great, sobre a imperatriz russa Catarina II. No cinema, ela estreou em 1990 num pequeno papel no filme Les Mille et Une Nuits, de Philippe de Broca, e depois participou de uma notável sucessão de abacaxis cinematográficos, até que Steven Spielberg a viu, se encantou, e a indicou para contracenar com Antonio Banderas em A Máscara do Zorro. A partir daí, sua carreira no cinema finalmente começou a andar para a frente, em filmes como A Lenda de Zorro (novamente com Banderas), A Armadilha (com Sean Connery), Os Queridinhos da America (com Julia Roberts, Billy Crystal, John Cusack), Chicago (com Richard Gere e Renée Zellwegger, que lhe rendeu o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante em 2003), Traffic (com Michael Douglas e Benício Del Toro) e O Terminal (com Tom Hanks). Tem recebido poucos convites nos últimos anos, pois ficou com fama de "difícil" por atrasar cronogramas de produção. Foi quando descobriu que sofre de transtorno bipolar, e se recolheu. É casada com Michael Douglas há 19 anos, e tem dois filhos com ele: Dylan e Carys.







HEATHER LOCKLEAR
Westwood, California
September 25, 1961




Heather Locklear é a "good girl gone bad" por excelência. Linda, doce, maravilhosa, e talentosa, tudo parecia conspirar a seu favor.  Começou meio perdida no elenco de Dinastia, depois participou de P J Hooker ao lado de William Shatner, e então virou Amanda Woodward, a vilã mais adorável da América, na série Melrose Place (1993/1999). Quando finalmente se desvencilhou de um contrato de 15 anos com o produtor de TV Aaron Spelling, Heather sentiu que estava na hora de pular para o cinema. Mas não deu muito certo, e ela voltou rapidinho para a TV, onde reforçou o elenco de Spin City, contracenando primeiramente com Michael J Fox, e mais adiante com Charlie Sheen. De 2003 para cá, no entanto, nenhum de seus projetos emplacou, Heather quebrou financeiramente, e, para piorar, teve problemas com a polícia por dirigir perigosamente sob o efeito de tranquilizantes. Foi casada com o baterista Tommy Lee do grupo de rock farofa Mötley Crüe entre 1986 e 1993. Em 1994, ela se casou com o guitarrista Richie Sambora, do grupo Bon Jovi, com quem teve uma filha: a hoje modelo de sucesso Ava Sambora. Heather e Richie permaneceram juntos por 13 anos, até que se divorciaram em 2007. Nos últimos anos, tentou suicídio em duas ocasiões em meio a crises de ansiedade e de depressão.






LINDA HAMILTON
Salisbury, Maryland
September 26, 1961


Linda Hamilton é um daqueles casos curiosos de atrizes inegavelmente talentosas que jamais conseguiram papéis à altura de seus talentos, e acabaram perdendo o leme de suas carreiras. Desde criança, ela era uma menina prodígio. Devorou toda a biblioteca de sua família na adolescência. Depois foi uma das a,lunas mais aplicadas de Lee Strasberg em Nova York. Estreou na TV no novelão inclassificável Secrets of Midland Heights (1980/1981), onde despontou para o anonimato. Sua estréia no cinema aconteceu em 1982 em papéis pouco expressivos, que só foram ganhar relevo com O Exterminador do Futuro (1984, com Arnold Schwarzenegger) e Black Moon Rising (1986, com Tommy Lee Jones). Mas era pouco para suas expectativas, e ela decidiu retornar à TV, onde fez dois seriados de muito sucesso; Murder, She Wrote (com Angela Lansbury) e A Bela e A Fera (com Ron Pearlman). Desde então, Linda ela se alterna entre papéis no cinema e na TV, onde sempre dá demonstrações inegáveis de talento. Casou-se três vezes: com Peter Horton (1979/1980), depois Bruce Abbott (1982/1989), e por último com o diretor de cinema James Cameron (1997/1999), que lhe rendeu um acordo de divórcio avaliado em 50 milhões de dólares. Tem trabalhado muito pouco nos últimos dez anos, e, assim como Catherine Zeta-Jones, sofre de transtorno bipolar.



BROOKE ADAMS
New York City, NY
September 26, 1949



Quando surgiu no cinema fazendo uma pequena participação em O Grande Gatsby (1973), de Jack Clayton, Brooke Adams já vinha de uma série de montagens de muito sucesso na Broadway e Off-Broadway nos Anos 1970 ao lado de amigos como Stanley Tucci e Tony Shalloub (com quem viria a se casar em 1993, e ter 3 filhos). Brooke começou a atuar aos 6 anos de idade no grupo de teatro de seu pai, em Michigan, e nunca mais parou. No cinema, começou a aparecer para valer em 1978 no magnífico Cinzas do Paraíso, de Terrence Malick, e na impressionante refilmagem de Philip Kaufman para o clássico de Don Siegel Os Invasores de Corpos ao lado de Donald Sutherland e Leonard Nimoy. Infelizmente não teve a sorte de participar de filmes tão bons quanto esses nos anos que se seguiram. Por conta disso, pouco a pouco Brooke foi-se retirando da cena cinematográfica e se dedicando apenas à TV e ao Teatro na condição de atriz e diretora. É uma artista no sentido mais amplo e pleno do termo.




OLIVIA NEWTON-JOHN
Cambridge, UK
September 26, 1948



A família Newton-John emigrou em 1954 para Melbourne, Austrália, onde o pai de Olivia começou a trabalhar como professor na faculdade de Ormond, na universidade de Melbourne. Com quatorze anos, ela formou uma banda de garotas, Sol Four, com três colegas, e logo estava aparecendo regularmente nas rádios e nos shows de televisão australianos. Entrou em um concurso de talentos no programa de televisão, Sing Sing Sing, e ganhou a competição. Como prêmio, recebeu um convite de trabalho na Inglaterra. Gravou seu primeiro single pela gravadora inglesa Decca Records, em 1966, mas seu primeiro album solo viria somente em 1971: If Not For You, fazendo da canção título escrita por Bob Dylan seu primeiro hit internacional. A partir daí, pouco a pouco, sua carreira como cantora começou a emplacar nas paradas pop do mundo todo -- e uma carreira paralela no cinema veio naturalmente, através de filmes musicais como Grease e Xanadu. Mas Olivia nunca conseguiu ser levada a sério como atriz, e quando ela percebeu que o cinema não estava ajudando em nada sua carreira como cantora, focou no que sabia fazer de melhor: cantar. Nesses últimos 15 anos, Olivia trocou o repertório pop de outras épocas por canções religiosas e canções de Natal, e não parece mais interessada em perseguir o sucesso artístico. Hoje ela é uma linda senhorinha muito bem comportada de 69 anos de idade.





CARRÉ OTIS
San Francisco, California
September 28, 1968








A modelo californiana Carré Otis é uma linda mulher desde a adolescência. Aos 16 foi descoberta pelo presidente e director criativo da Elite Model Management, John Casablancas. Queimou etapas na carreira, trabalhou desde cedo com fotógrafos famosos como Bruce Weber e Herb Ritts, e antes dos vinte anos brilhou nas capas de Elle, Vogue, Harper's Bazaar, Cosmopolitan, Allure, Mirabella e Marie Claire, além do Pirelli Calendar, da Sports Illustrated Swimsuit Millennium Edition e da Playboy, onde foi capa oito vezes. Estreou no cinema em Orquídea Selvagem (1990), filme erótico bem duvidoso de Zalman King, ao lado de seu namorado Mickey Rourke, com quem manteve uma relação extremamente turbulenta por quase dez anos, abastecendo a imprensa de celebridades com uma infinidade de incidentes pitorescos. Quando assumiu que era dependente química, teve que abrir mão de sua carreira, pois ninguém iria mais contratá-la. Com a ajuda de Rourke, livrou-se da heroína em 1994. Sua luta para livrar-se de outras substâncias continuou até 1996. Mickey e ela se separaram em 1998, pois um não aguentava mais olhar na cara do outro. Ainda em boa forma física, Carré Otis retomou no mesmo ano sua carreira num esquema mais low-profile. Em 2005, largou a carreira para se casar com Matthew Sutton, um cientista ambiental, e os dois hoje vivem no Colorado com suas duas filhas: Jade e Kaya. A autobiografia de Carré Otis, Beauty Disrupted: A Memoir, foi lançada em outubro de 2011.






No comments:

Post a Comment