Monday, August 21, 2017

AS BOAZUDAS DOS ANOS DE OURO DO CINEMA BRASILEIRO #32: EDNA VELHO

por Chico Marques


Muitos vão estranhar a presença da bela e imponente morena Edna Velho na nossa galeria de "Boazudas dos Anos de Ouro do Cinema Brasileiro", já que ela nunca fez pornochanchadas, e nem sequer participou de filmes eróticos nos Anos 70 e 80.

Edna, na verdade, chegou um pouco atrasada para as pornochanchadas. Se fosse cinco anos mais velha, provavelmente teria participado de muitas delas. O caso é que quando completou 18 anos de idade, as pornochanchadas já estavam caindo pelas tabelas, graças à chegada das primeiras produções nacionais com cenas de sexo explícito.

No entanto, os 13 anos que Edna Velho cumpriu no SBT em "A Praça É Nossa", desfilando para lá e para cá de biquíni e interpretando semanalmente Phipha, a namorada gostosona do Dr. Philadelpho (Ronny Rios), e mais adiante a secretária gostosona Dona Dadá, que dava em cima do grande Tutuca, já fazem dela uma "boazuda honorária" pra pornochanchadófilo nenhum botar defeito. 

Edna Velho vem de uma família de classe média em Niterói. Estudou em um Colégio de Freiras, o rígido Nossa Senhora das Mercês, mas na adolescência mudou de mala e cuia para o Colégio Brasil, onde testou várias possíveis vocações, fazendo teatro, estudando canto e tocando lira na banda da escola.

Na Universidade estudou Letras, mas, convenhamos, era bonita e gostosa demais para o Magistério. Então, pegou um desvio e fez carreira como modelo fotográfico e como atriz em peças de teatro e em programas humorísticos da TV Globo nos Anos 80, como "Viva O Gordo", "Os Trapalhões" e "Mièle e Cia".

Edna demorou para ganhar um papel dramático que a tirasse do núcleo de shows e humorísticos da TV Globo. Quando recebeu um convite para fazer o Caso Especial "A Garota da Capa", embarcou de corpo e alma no projeto, e brilhou interpretando uma modelo badalada que tinha um marido extremamente ciumento.

Esse Caso Especial, dirigido e idealizado por Walter Avancini, deu muito o que falar na época, em 1988. Quem tiver interesse em revê-lo depois de quase 30 anos, conseguimos localizá-lo perdido no YouTube. Está disponível no final desta postagem. Vejam o que Edna diz a respeito desse momento de sua carreira:

Gosto de todos os trabalhos que fiz, mas "A Garota da Capa" é algo muito especial na miha carreira, pois foi meu primeiro trabalho dramático de relevo, ainda mais sob a direção de um dos maiores mestres da TV brasileira, Walter Avancini. Isso tem um peso muito grande, e foi muito legal ter vivido essa experiência. Quanto à polêmica, acredito, que era um dos objetivos, pois a Globo estava na época reformatando os Casos Especiais, misturando ficção com realidade. Meu personagem e o do ator Silvio Pozzato eram os únicos fictícios, apesar do nome do meu personagem ser Edna também. Houve uma preocupação também da Globo na época com a questão de censura, que achou aquilo tudo ousado demais para o horário e exigiu uma série de cortes."













Depois do sucesso de "A Garota da Capa", Edna Velho parecia estar pronta para mudar de mala e cuia para o núcleo de novelas da TV Globo. Era só questão de aguardar um convite da emissora, que mais cedo ou mais tarde chegaria naturalmente.

Mas Edna não quis esperar. Recém-casada com o ator e diretor Cláudio Cunha, e passou a integrar o elenco de "Terapia com o Analista de Bajé", interpretando sua assistente gostosona Lindaura, que correu o Brasil em uma temporada prolongada de muito sucesso. A agenda extremamente cheia da peça tornou inviável para ela achar tempo disponível para fazer novelas na TV, daí ela desencanou. Só quando Cunha e ela se separaram, e ela deixou o casamento e o elenco da peça tudo ao mesmo tempo, é que finalmente pôde voltar a pensar em retornar à tela pequena.

Mas seu único momento como atriz dramática já estava longe e meio esquecido. Sua referência agora era Lindaura. Daí, o jeito foi voltar para a TV fazendo comédia novamente. Aceitou sem pestanejar um convite de Carlos Alberto da Nóbrega para ingressar no elenco fixo de "A Praça É Nossa", e por mais de uma década exibiu seu corpo escultural no papel da dengosa Phipha, ou da espevitada Dona Dadá.

Depois de "A Praça É Nossa", Edna pulou de emissora em emissora por vários anos, vindo a São Paulo uma ou duas vezes por semana para gravar participações na "Escolinha do Golias" ou dos programas de Gugu Liberato, Celso Portiolli e Sílvio Santos no SBT. Seu último trabalho para a TV foi um sketch humorístico criado e dirigido por ela própria para o programa "Boa Noite Brasil", de Gilberto Barros", isso em 2004 na Band.

Desde então, está afastada da TV, mas segue fazendo teatro de tempos em tempos. Depois do sucesso estrondoso como Lindaura no "Analista de Bajé", participou de "Dois Quartos de Motel" -- com Gorete Milagres, Mamma Bruschetta, Sheila Mello, Marinara Costa e Mateus Carrieri -- e brilhou à frente do monólogo "Arrasada", onde interpreta uma atriz meio azarada que nunca conseguiu fazer sucesso.

Louca por Carnaval, saiu por muitos anos como destaque em Escolas de Samba no Rio e em São Paulo, mas de cinco anos para cá sua vida mudou drasticamente. É que ela prestou concurso público para o Banco Central, em Brasília, e foi aprovada. Desde então, passa a semana inteira na Capital Federal, trabalhando, e nos finais de semana viaja com alguma peça pelo Brasil afora ou então dá uma escapada até o Rio de Janeiro para descansar. Vive com o filho Raphael, de 15 anos, e fala maravilhas do pai do garoto, o jogador e deputado federal Romário -- que, segundo ela, é extremamente presente e afetuoso.

De 1985 e 2012, Edna Velho vem posando para uma série considerável de ensaios sensuais para revistas masculinas -- um para Playboy, três para Ele e Ela, outros três para Sexy, e mais alguns que ela própria patrocinou a título de promoção para suas peças, mas também para mostrar para quem quiser ver que continua uma mulher exuberante aos 40 e aos 50 anos de idade.

Resgatamos a partir daqui o melhor desses ensaios fotográficos de nossa "boazuda honorária" para vocês.

Divirtam-se:










































PARA CONCLUIR NOSSA HOMENAGEM
A NOSSA BOAZUDA DA SEMANA
EDNA VELHO
RESGATAMOS O CASO ESPECIAL
A GAROTA DA CAPA, DE 1988,
ALÉM DE 3 SKETCHS HUMORÍSTICOS DELA
COMO A GOSTOSONA DONA PHIPHA
AO LADO DO DR. PHILADELPHO,
E COMO A SECRETÁRIA GOSTOSONA
DONA DADÁ AO LADO DO GRANDE TUTUCA.
PARA ENCERRAR COM CHAVE DE OURO,
DUAS APARIÇÕES DE EDNA VELHO
NA BANHEIRA DO GUGU.

DIVIRTAM-SE
      




No comments:

Post a Comment